>

24 de jun de 2017

(Poesia) PEDRO LUSO - A tempestade




A TEMPESTADE
- PEDRO LUSO DE CARVALHO




No meio da tarde escurece
a cidade.
Nuvens de bronze reunidas
no meio da tarde.

O vento varre calçadas e ruas
no meio da tarde.
Caiem arvores e arbustos
prenúncio de tempestade.

Há gente com medo na tarde,
no meio da tarde,
dia que se fez noite
a tempestade o açoite.

A tempestade parou na tarde,
no meio da tarde.
Em casas, onde a água entrou,
danos tantos, a poucos poupou.




*   *   *





36 comentários:

  1. Puxa,linda poesia e aterrorizante situação vivida por tantos gaúchos naquele dia! Triste e ainda há ,até hoje, desabrigados! abraços ,ainda bem ,ensolarados, desejando ótimo fds! chica

    ResponderExcluir
  2. Apesar da tempestade e por ela ... é belíssimo o poema que treme - ao ritmo da emoção - a meio da tarde.

    Beijinho, Pedro.

    ResponderExcluir
  3. A vertigem das tempestades habita todos os lugares do mundo. O excesso de cimento consente às águas que invadam as casas e a estreiteza dos caminhos. O vento transforma em fantasmas tudo o que mexe.
    "Há gente com medo na tarde,
    no meio da tarde,
    dia que se fez noite
    da tempestade o açoite".
    Um poema que relata uma realidade que acontece com frequência por culpa da negligência dos habitantes deste planeta...
    Um beijo, meu Amigo Pedro.

    ResponderExcluir
  4. A fragilidade do homem diante das intempéries nos
    mostra como somos diante da natureza.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  5. Pois é, parece que a natureza cansa de ser benevolente com tantas agressões que fazemos e vem o revide como se fosse um alerta! E assim mesmo continuamos a agredir o meio-ambiente, os rios, os mares, as montanhas, o ar, poluindo tudo que não temos direito.
    Belo e forte poema, e olhando a foto acima... dá um temor enorme!
    Beijinho daqui do lado.

    ResponderExcluir
  6. La naturaleza se revela muchas veces.
    En Chile sabemos de eso lamentablemente.
    Un abrazo para ti y mi cariño.
    mar

    ResponderExcluir
  7. Uma imagem para pensar e inspirar.
    Quando o dia se faz noite, os pássaros apressados buscam pelos ninhos e árvores, que balançam e outros caem.E vem a natureza com suas violentas águas, expor nossa fragilidade e cobrar de nós as ações que não cumprimos.
    Um bom domingo amigo.
    Meu terno abraço.

    ResponderExcluir
  8. Linda poesia: É mesmo assim a natureza, nos vai avisando do que pode acontecer a qualquer momento; com estes rodopios no tempo, para provar que tem tudo em seu poder.
    Um abraço fraterno meu amigo. suas poesias são maravilhosas!
    Tenha uma abençoada semana!....

    ResponderExcluir
  9. Olá Pedro!
    Odeio (mas respeito) tempestades. Me enfio debaixo da cama, se preciso for.
    Amo poesia, mesmo quando ela fala do que odeio.
    Belo poema, Pedro. E a foto? O máximo!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  10. Lindo poema de uma realidade!

    Beijinhos Bom Domingo

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  11. Foto e poema bonitos e reflexivos!
    As tempestades com as suas devastações e lágrimas...
    Obrigada pelo comentário no Ciranda de Frases...
    Bom domingo!

    ResponderExcluir
  12. A natureza costuma ser traiçoeira e nos traz abalos e medos
    Belíssima construção poética
    Um abraço e bom domingo

    ResponderExcluir
  13. Me gustan las tormentas, es una manifestación del poder de la Naturaleza que de vez en cuando se enfrenta al dominio que el hombre quiere imponer sobre ella. Me gustan y las respeto.
    Precioso poema ¡Enhorabuena!

    ResponderExcluir
  14. Linda poesia e uma grande realidade Pedro!
    A chuva é maravilhosa,mas quando vem impetuosa acaba destruindo lares e deixando pessoas desabrigadas.
    Gostei muito.
    Bjs e um ótimo final de domingo.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  15. Uma imagem poderosa... e tempestuosa... que certamente inspirou seu belo poema, Pedro... que tão bem soube passar para as palavras, o poder da devastação...
    E cada vez mais... devido às alterações climáticas.. todos estamos à mercê de inesperadas tempestades... e suas nefastas consequências...
    Um grande abraço! Boa semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  16. Lindíssimo poema, embora o que inspirou foi a beleza da tempestade, sim, é bela, mas infelizmente fostes tocado pela dor dos que ficaram desabrigados, isso é mesmo muito triste, enfim...
    Estamos vendo acontecer muito disso, chuvas torrenciais em lugares até onde nem se esperavam!
    Abraços apertados amigo poeta sensível!

    ResponderExcluir
  17. EXCELENTE POEMA, EXCELENTE TU INSPIRACIÓN.
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
  18. Tenho alguns medos na vida um deles é tempestade, com raios então são mesmo apavorantes, tenho medo pelo fato de ser algo incontrolável pelo ser humano, e ficamos a mercê da vontade da natureza. Essa realidade é que seu poema descreve muito bem.
    Desejo-lhe menos tempestades e muitos dias de sol.
    grande abraço, Léah

    ResponderExcluir
  19. Boa noite Pedro
    Lindíssimo e tocante poema. A natureza e seus mistérios. E os seres humanos não sabe adimirar e respeitar a natureza,apoiamos o desmatamento,achando normal jogar lixos em rios,ruas e acaba causando tantas tristezas para tantos que sente na pele a força de uma tempestade. Uma linda semana para vocês. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  20. Bom dia!

    Que cada dia
    Seja um dia
    Querendo mais
    Um dia

    abraço
    Lola

    ResponderExcluir
  21. Bien nos muestra tu poema el poder del agua. Como el fuego, tan compañeros de nuestras vidas para hacerlas confortables.
    Pero cuando se rebelan, líbrenos Dios, cuánto sufrimiento. Como hace poco en Brasil y ahora en Portugal, Pedro.

    ResponderExcluir
  22. Boa tarde, imagem forte como a natureza o é, as grandes cidades vão ocupando terrenos que deviam absorver a agua da chuva, as ruas passam são alcatroadas, a agua da tempestade tem que escoar para zonas mais baixas o que vai causar vitimas, o poema é uma boa reflexão.
    AG

    ResponderExcluir
  23. Hermoso poema Pedro.Si la naturaleza nos quiere bendecir, lo hace. Si nos quiere, por el contrario, hacer daño...lo logra.

    Abrazo austral.

    ResponderExcluir
  24. Bom dia Pedro,
    As tempestades são devastadoras, a natureza cobra seu espaço, no mais das vezes culpam o prefeito, mas na verdade ele não manda nenhum habitante jogar lixo nas ruas, o povo não tem educação doméstica, vão jogando na rua o que bem querem e ai como as águas vão escoar? Poema de cunho social oportuno.

    Tenha um ótimo dia.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  25. Quando a natureza espirra, ai do pobre mortal.
    Gostei do poema.
    Abraço

    ResponderExcluir
  26. Uma excelente e poderosa poesia meu amigo.
    Gostei.
    Um abraço e continuação de boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderExcluir
  27. Precioso poema. La naturaleza imparable, sobrecogedora, a veces, pero siempre hermosa. Incluso cuando se desborda, la respeto.
    Creatividad desbordante, la tuya.
    Un abrazo, y buena semana.

    ResponderExcluir
  28. Buenísimo poema. Un placer siempre leerte.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  29. Pedro, quanta inspiração! Sabe, eu adoro temporais. Onde moro a coisa fica competente, quando o céu resolve chover. E gostei de ver a foto, com um céu assim, todo modificado, um céu de respeito!
    Mas eu sei, tem o lado que prejudicar muitas pessoas e isso eu fico triste.
    Versos muito bem construídos, Pedro. Um forte abraço!

    ResponderExcluir
  30. Ihh, estas tempestades!
    Tivemos aqui também e foram terríveis!

    ... e rendem poesia!
    Amei a sua!

    abraço
    Lola

    ResponderExcluir
  31. Sem trocadilho, estamos diante de uma bela condensação. Uma síntese bem feita dos efeitos da chuva na bela Porto Alegre há poucos dias. Uma bela estética ainda para que traduzir "o medo". Uma bela dicção.
    Forte abraço, meu caro amigo!

    ResponderExcluir
  32. Há Brainstorming em mim,
    Tempestade cerebral!
    Que faz o que é trivial
    Em tempestades sem fim.

    Eu lembro de onde vim,
    Uma praia, que afinal,
    Tudo era sonho e o mal
    Não existia. Hoje e assim

    Do jeito que é o mundo
    Eu sinto um pesar profundo
    Ao constatar a desgraça

    Do cotidiano imundo.
    O mundo está moribundo
    Por borrasca que não passa.

    Grande abraço, amigo Pedro! Parabéns pelo belíssimo poema. Tudo de bom. Laerte.

    ResponderExcluir
  33. um poema sentido e que denota a realidade de um momento triste
    a foto escolhida é poderosa e ilustra bem este poema
    beijinho
    :)

    ResponderExcluir
  34. Pedro:
    cuando la naturaleza se enfurece, y cada vez más, los humanos somos como hojas de árboles.
    Abraços.

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO